Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de setembro de 2016. Atualizado às 09h00.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

24/08/2016 - 20h42min. Alterada em 24/08 às 20h42min

Em nota, bancada do PT no Senado defende proposta de Dilma por novas eleições

Na véspera do início do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, a bancada do PT do Senado divulgou nesta quarta-feira (24), uma nota pública em que contraria manifestação anterior da direção do partido e defende a proposta da petista que, caso retorne ao comando do País, defenderá a convocação de um plebiscito a fim de antecipar as eleições presidenciais.
A nota, que foi lida pela senadora e ex-ministra de Dilma, Gleisi Hoffmann (PT-PR) em plenário, destaca que os senadores petistas respeitam, porém discordam da decisão da Executiva Nacional do PT, contrária à sugestão da presidente afastada de se fazer uma consulta popular.
"Em nosso entendimento, a grave situação política do país, submetido a um golpe parlamentar que cassa o voto de 54,5 milhões de eleitores com o intuito de promover um programa político extremamente regressivo, impõe medidas corajosas que busquem promover a pacificação da nação, por meio do resgate da soberania do voto popular, fonte primeira e legítima do poder democrático", diz a manifestação de Dilma.
A bancada do PT no Senado diz que concorda com a "corajosa e democrática" decisão de Dilma, que, "pensando no bem do País, quer convocar o povo para decidir os destinos do Brasil".
Leia abaixo a íntegra:
"Nota da Bancada do PT no Senado sobre a Proposta de Plebiscito
A Bancada do PT no Senado respeita, porém discorda da decisão da Executiva Nacional do partido, a qual se posicionou contrariamente à convocação de um plebiscito para consultar a população brasileira sobre a realização antecipada de eleições e a reforma política eleitoral.
Em nosso entendimento, a grave situação política do país, submetido a um golpe parlamentar que cassa o voto de 54,5 milhões de eleitores com o intuito de promover um programa político extremamente regressivo, impõe medidas corajosas que busquem promover a pacificação da nação, por meio do resgate da soberania do voto popular, fonte primeira e legítima do poder democrático.
Assim, a bancada do PT no Senado Federal concorda com a corajosa e democrática decisão da presidenta Dilma Rousseff que, pensando no bem do Brasil, decidiu, caso seja reintegrada ao cargo do qual foi ilegitimamente afastada, convocar o povo para decidir os destinos do país.
Como a presidenta, daremos nosso apoio irrestrito à convocação de um plebiscito, com o objetivo de consultar a população sobre a realização antecipada de eleições, bem como sobre a reforma política e eleitoral, bandeira histórica do nosso partido.
A presidenta confia no povo brasileiro e na democracia. Nós também.
A democracia não é apenas o lado certo da História. A democracia é a única saída para o Brasil.
Bancada do PT no Senado"
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Heleno Reis 04/09/2016 20h54min
Por que só agora, depois do leite derramado, da lambança feita, da vaca ter ido pro brejo ou coisa que o valha, isto é, do afastamento de Dilma do comando da nação, o PT vem defender a realização de novas eleições presidenciais? O problema do partido sempre foi o estrabismo político, a preguiça intelectual e a desmedida arrogância partidária, sobretudo do presidente da legenda, Rui Falcão, do Lula e da própria Dilma. Só eles não acreditavam no impeachment. Agora, com os velhos burros n'água zurrando inutilmente a pedir socorro, resta ao partido começar tudo de novo: numa nova estrada, com burros novos, novas cangalhas, nova carga e muito capim, é claro. Se vai chegar lá de novo só Deus sabe. Que pena! Eu que, embriagado de boa fé e de esperança num novo Brasil, testemunhei "in loco" o nascimento do partido. Antagonizem-se comigo amanhã, hoje não, hoje estou de ressaca!nn"MESMO ASSIM, NOVAS ELEIÇÕES JÁ!!!"