Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 17h37.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Novo Governo

08/08/2016 - 17h37min. Alterada em 08/08 às 17h37min

Temer trata de obras inacabadas em reunião com Dyogo Oliveira e senadores

Na reunião entre o presidente em exercício, Michel Temer, o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, e alguns senadores, na tarde desta segunda-feira (8) foi apresentado um resumo do ministério sobre as obras paralisadas e inacabadas que o governo pretende retomar.
Segundo o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), que participou do encontro, o governo apresentou o projeto de retomar 1.519 obras que tenham demanda de recursos entre R$ 500 mil e R$ 10 milhões e disse que elas devem ser finalizadas até 2018. "O ministro apresentou a relação dessas obras que vai de estradas, aeroportos, creches, centro de artes e esportes, prevenção em áreas de risco", disse.
No último dia 26, Dyogo afirmou, em coletiva no Planalto, que em 20 dias as pastas apresentariam ao presidente uma proposta de priorização de obras de infraestrutura e que havia sido estabelecido que os esforços seriam concentrados para mapear e retomar as obras inacabadas de até R$ 10 milhões. "Esse conjunto soma um volume de duas mil obras, com um custo remanescente de R$ 2 bilhões", disse Dyogo.
O senador Hélio José (PMDB-DF), que também esteve na reunião, afirmou que, ao priorizar acabar obras da gestão anterior, o presidente em exercício deixa "claro" a desvinculação do processo eleitoral. "As obras não são do nosso governo, são feitas e licitadas pelo governo anterior, que foram paralisadas por um motivo o outro", disse. "A ideia é que, até 2018, a gente consiga concluir essas 1500 obras inacabadas", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia