Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de agosto de 2016. Atualizado às 17h54.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

05/08/2016 - 17h54min. Alterada em 05/08 às 17h54min

Investigado pela Lava Jato que estava na China se entrega à Polícia Federal

Agência Brasil
O executivo Marcos Pereira Reis, ligado ao consórcio Qirp, se entregou hoje (5) à Polícia Federal (PF) em Curitiba. A Justiça Federal havia expedido mandado de prisão temporária contra ele na terça-feira (2), durante a 33ª fase da Operação Lava Jato, mas o investigado estava na China.
Reis havia informado às autoridades que iria se entregar e que estava providenciando o retorno ao Brasil. Ele se apresentou no começo da tarde, pouco antes das 14h, na Superintendência da PF em Curitiba.
O executivo foi levado ao Instituto Médico Legal para fazer o exame de corpo de delito e, em seguida, prestou depoimento. Marcos Reis permanecerá no cárcere da PF por um período de cinco dias, contados a partir desta sexta-feira,  a menos que o juiz federal Sérgio Moro mude a prisão para preventiva (sem prazo para sair).
Operação
A 33ª fase da Operação Lava Jato teve como foco irregularidades cometidas pela Construtora Queiroz Galvão, a terceira em volume de contratos com a Petrobras. Denominada 'Resta Um', essa fase ter por objetivo investigar contratos para obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro e nas refinarias de Abreu e Lima (PE), do Vale do Paraíba (SP), Landulpho Alves (BA) e de Duque de Caxias (RJ).
Segundo a PF, a construtora integrava o chamado "cartel de empreiteiras", com pagamentos de proprina sistemáticos a funcionários e diretores da Petrobras, assim como a partidos políticos.
A força-tarefa da Lava Jato também informou ter identificado indícios concretos de que executivos da construtora fizeram pagamentos em dinheiro para dificultar o andamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras no Senado, em 2009.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia