Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de agosto de 2016. Atualizado às 11h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

04/08/2016 - 10h49min. Alterada em 04/08 às 11h43min

Comissão do Senado abre sessão que votará parecer pelo impeachment de Dilma

Para ser aprovado, relatório precisa de votos de pelo menos 11 senadores

Para ser aprovado, relatório precisa de votos de pelo menos 11 senadores


Marcos Oliveira/Agência Senado/JC
Com quarenta minutos de atraso, a Comissão Especial do Impeachment do Senado abriu na manhã desta quinta-feira (4) a sessão que votará o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), favorável ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. O plenário da comissão - que ocorrerá na sala da Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante da Casa - não está lotado como habitual em reuniões desse porte.
Acompanhe a sessão ao vivo:
Da última hora, o presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB), alterou a previsão dos discursos. Inicialmente apenas os líderes teriam direito a falar por um tempo máximo de cinco minutos cada. Ele abriu também para que os integrantes do colegiado pudessem falar. Até o momento, constam 17 inscritos. A comissão tem 21 integrantes. Lira espera que a sessão dure de duas a três horas.
Em seguida, os senadores votarão por meio de painel eletrônico, sem discurso. O presidente do colegiado não participará da votação, apenas em caso de empate, o que não é esperado. À semelhança da votação da primeira fase, o placar esperado é 15 a 5 a favor do impeachment.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia