Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de agosto de 2016. Atualizado às 23h57.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Impeachment

Notícia da edição impressa de 04/08/2016. Alterada em 03/08 às 23h56min

Senadores elogiam relatório de Anastasia

 Relator Antonio Anastasia  e o  presidente Raimundo Lira apresentaram resultados da comissão especial

Relator Antonio Anastasia e o presidente Raimundo Lira apresentaram resultados da comissão especial


PEDRO FRANÇA/AGÊNCIA SENADO/JC
Os membros da Comissão Especial do Impeachment debateram nesta quarta-feira o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), que defende a procedência da acusação e a realização do julgamento contra a presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Senadores que defendem o impeachment de Dilma elogiaram o texto como "irretocável" e "claro". Por sua vez, os parlamentares que defendem a presidente afastada afirmaram que o documento concretiza um "golpe sorrateiro".
O relatório de Anastasia será votado pela comissão nesta quinta-feira, em sessão marcada para as 9h. Os líderes partidários poderão orientar suas bancadas usando da palavra por até 5 minutos antes da votação. Para ser aprovado, tornando-se então o parecer da Comissão do Impeachment, o relatório precisa dos votos da maioria simples dos membros do colegiado. Depois, seguirá para a análise do Plenário. Caso a maioria simples dos 81 senadores decida pela continuidade do processo, a presidente afastada será julgada no final do mês, .
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia