Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 28 de agosto de 2016. Atualizado às 22h20.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 29/08/2016. Alterada em 28/08 às 18h05min

Mais atenção aos jovens negros brasileiros

Luislinda Valois
Costumamos dizer que os jovens são o futuro do País. Mas se queremos realmente chegar lá, precisamos, aqui e agora, investir neles, pois é no presente que temos a oportunidade de fazer florescer todo o seu potencial de transformação, toda a sua criatividade e dinamismo, rumo a uma concepção de mundo mais igualitária. Neste momento, em que acabamos de realizar as Olimpíadas no Brasil, temos a grata satisfação de constatar que - por meio do esporte - muitos negros conseguiram romper a barreira da invisibilidade, da falta de perspectiva e do preconceito. Mas os Pelés, os Joões do Pulo, as Daianes dos Santos e as Rafaelas Silva - só para citar alguns brasileiros - ainda são poucos. Não podemos nos contentar com o êxito de alguns poucos negros, que infelizmente ainda representam uma exceção, uma "cota" em nosso País.
Atualmente, o mundo registra a maior população de jovens de toda a história, 1,8 bilhão de pessoas. No Brasil, são mais de 50 milhões de jovens que carregam dentro de si o poder das mudanças para a construção de um País melhor. Por isso, temos a grande responsabilidade de oferecer aos nossos jovens instrumentos que os capacitem a exercer todas as suas habilidades e competências, desviando-os dos caminhos da miséria, do analfabetismo, da violência, das drogas e da morte prematura. Não é aceitável que cerca de 30 mil jovens sejam assassinados por ano no Brasil e, destes, 77% sejam negros; não é aceitável que cerca de 20% dos jovens não estudem nem trabalhem e, destes, 63% sejam negros e/ou mulheres. Esses índices expõem a dura desigualdade que ainda experimentamos em todos os aspectos da vida social. Temos mecanismos para mudar isso, seja pela educação, pela formação profissional, seja pelo esporte.
Nesse contexto, que as vitórias dos nossos atletas negros sirvam de exemplo para a juventude preta, pobre, da periferia e para toda a juventude brasileira, mas que seu sucesso não sirva para esconder a infinita desigualdade que ainda precisamos superar.
Secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial/Ministério da Justiça e Cidadania
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia