Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de agosto de 2016. Atualizado às 01h17.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 19/08/2016. Alterada em 18/08 às 19h26min

Conselho da população

João Carlos Sehn
"Todo poder emana do povo." Significa que a população pode, se assim desejar, criar um conselho que esteja acima dos Três Poderes, para exclusivamente demitir ocupantes de cargos públicos não elegíveis, caso venham a agir em desacordo com os anseios e necessidades da população (sugestão para a próxima Constituição).
Atualmente, o corporativismo virou réu na cabeça do brasileiro e por isso precisa ser extirpado da vida pública. Leis, regras e regulamentos criados no passado, espertamente arquitetados, forjaram um conjunto de benesses com a roupagem de remuneração justa, tudo bancado pelo suor contributivo de quem produz neste País. Ninguém aguenta mais esta mentira. Esta gente não está nem aí se boa parcela da população perdeu o emprego ou necessita de atendimento.
Consideram-se superiores, mas com produção efetiva pra lá de duvidosa. Percentuais muito elevados de nossos impostos destinam-se a manter esta casta com status de marajá. Ganham 15 e até mais de 20 salários-mínimos por mês. Verdadeira farra com o dinheiro do povo, e não tem ninguém para dar um basta nesta gastança. Tudo protegido pelas tais leis. Por isso a necessidade de uma nova Constituição e da criação do Conselho da População. Numa sessão desse conselho poderia entrar em pauta vários casos. Exemplos: Servidor que agiu em proveito próprio ou de seus pares. Decisão: Rua! Soltou bandido em prejuízo da sociedade. Rua! Contratou sem licitação. Rua! Multou indevidamente. Rua! O setor "tal" não atende a população eficazmente. Todos seriam demitidos! Etc. Seria um órgão com poderes específicos, a ser preenchido por representantes da iniciativa privada (presidentes de associações, federações, sindicatos, dentre outros), com remuneração de seus membros por sessão deliberativa.
Assim como existem órgãos públicos que fiscalizam a iniciativa privada, o conselho puniria os erráticos servidores, na velocidade da iniciativa privada. Reunião hoje, demissão hoje!
Economista e industrial, Pelotas/RS
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia