Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de agosto de 2016. Atualizado às 00h28.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 11/08/2016. Alterada em 10/08 às 20h58min

O legado da advocacia

Ricardo Breier
A advocacia é uma preciosa herança da civilização greco-romana, e chegou até os nossos dias fortalecida, atravessando eras de perseguições, incompreensões e enfrentamentos com as injustiças das mais diversas procedências e em todas as latitudes. Em sua origem, advogado (ad vocatus) significava aquele que era chamado para defender os demais cidadãos perante os seus julgadores. Essa defesa, mesmo em tempos aparentemente menos iluminados, era devida a todos, culpados e inocentes, posto que tal distinção seria logicamente inadmissível antes do transcurso de um processo legal. Essa impossibilidade parece estar esquecida nestes tempos nos quais se busca atribuir à advocacia uma inexistente culpa por propugnar pela defesa dos desvalidos, dos acusados e dos perseguidos, como se a aparência de culpabilidade fosse suficiente para qualquer condenação, e como se as fórmulas garantidoras da ampla defesa fossem meios de garantir a impunidade e não a Justiça, em todo julgamento. O conhecimento técnico, de domínio dos advogados, traz para a sociedade um elevado nível de segurança, e lhes permite participar, como patrocinadores, diante de tantos conflitos gerados pela imperfeição de todos os homens e de suas instituições. Fazem isso voltados para a realização da Justiça, da paz social e da garantia do exercício dos direitos constitucionalmente assegurados a toda a cidadania. Isso se dá na defesa do consumidor, na exigência do cumprimento dos contratos, no direito à previdência, à saúde, à segurança, ao justo fruto do trabalho, entre outros. Nessa missão laboriosa, a advocacia continuará servindo de voz para os que não têm voz e emprestando a sua força para a defesa daqueles a quem falta força para enfrentar a injustiça. Não é uma tarefa fácil, mas é, sem dúvida, a mais gratificante, reservada para os que se entregam de corpo e alma a essa nobre profissão, que, no dizer de Ruy Barbosa, tem como seu maior papel o de apresentar perante os tribunais o caráter supremo dos povos livres.
Presidente da Ordem dos Advogados-RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia