Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 01h11.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 08/08/2016. Alterada em 08/08 às 01h12min

Um bilhão de pessoas em cooperativas

Mohamad Akl
Em seus mais de 120 anos no Brasil, o cooperativismo se destaca pela liberdade de associação, transparência administrativa e partilha do trabalho e renda entre os sócios cooperados.
Seus números são expressivos: as famílias de 50 milhões de brasileiros estão vinculadas a uma das mais de 6,6 mil cooperativas que atuam no País, que geram empregos para 361 mil profissionais.
Um terço dos clientes de planos de saúde é atendido pela Unimed, maior sistema de cooperativismo médico do mundo, com 19 milhões de beneficiários e 113 mil médicos cooperados. De acordo com a ACI (Aliança Cooperativa Internacional), o Sistema Unimed ficou em 30º lugar no Top 300 do cooperativismo em volume de negócios, pelos dados de 2013 apresentados no ano passado, com mais de US$ 19 bilhões.
Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), metade da produção agropecuária no Brasil passa de alguma maneira por uma cooperativa. Em 2015, as exportações das cooperativas brasileiras chegaram a 148 países e totalizaram US$ 5,3 bilhões. Conforme a ACI, mais de um bilhão de pessoas estão ligadas a uma cooperativa mundialmente, ou seja, 14,3% da população do planeta. E 95 países seguem os valores e princípios do cooperativismo. Sabemos que as relações de trabalho estão mudando. O mercado convencional não dá conta de absorver milhares de jovens, anualmente, egressos das universidades e dos cursos técnicos de nível médio.
É muito mais fácil gerar oportunidades em cooperativas, pois não visam ao lucro do capital investido e não têm sócios capitalistas. Lutamos sempre para melhorar a remuneração médica e preservar os nossos beneficiários com produtos que caibam no orçamento dos clientes e empresas brasileiras. Dia 2 de julho foi comemorado o Dia Internacional do Cooperativismo. A data celebra o poder de agir para um futuro sustentável.
Médico, presidente da Central Nacional Unimed
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia