Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de agosto de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 03/08/2016. Alterada em 02/08 às 21h45min

Os contrastes do café nosso de todo dia

Carla Tellini
"Considerem uma caneca de café norte-americano. Pode ser encontrada em qualquer lugar. Fabricada por qualquer um. É barata. Como não tem quase gosto, pode ser diluída à vontade. O que lhe falta em encanto é compensado pelo tamanho." Este trecho do livro do historiador inglês Tony Judt relata os contrastes do café americano com um bom espresso, com "s" mesmo, conforme a tradição italiana.
Se pensarmos na xícara pequena e de conteúdo saboroso de um espresso, precisamos considerar todo o ritual envolvido. Além do equipamento específico, é preciso um especialista para extrair as qualidades, aromas e sabores de cada tipo de grão. Tudo para transformar em arte a experiência de se beber um bom café. Assim, partir do argumento de Judt, o 'moka-latte-com-canela' não passa de um preparado robótico de xaropes, que nada tem de benefícios e cujo sabor está mais próximo a um milk shake do que um café com leite.
O hábito do café na rua, em grandes copos açucarados, coloca em xeque não apenas a saúde, mas o prazer de desfrutar o momento. O hábito que faz parte do cotidiano do brasileiro (segundo uma pesquisa recente da Associação Brasileira da Indústria de Café - Abic, a bebida é a segunda mais consumida do Brasil) não deveria ceder espaço ao desejo consumista de uma loja de café de caramelo ou chafé.
Temos qualidade que se exporta para o mundo. Feita com grãos selecionados, a nossa bebida representa mais do que um emblemático café da manhã, é o estilo de vida do brasileiro, além de repercutir significativamente na balança comercial do País.
E não é só aos olhos e às papilas gustativas que o café traz benefícios. Auxilia na prevenção de doenças, estimula a concentração, a memória e o aprendizado. E pode haver algo melhor para a saúde, incluindo coração e mente, do que um bom café bem acompanhado?
Diretora criativa do Grupo Press Gastronomia
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia