Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de agosto de 2016. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Turquia

Notícia da edição impressa de 02/08/2016. Alterada em 01/08 às 22h38min

Governo admite pela primeira vez erros nas punições após golpe

Em uma notável mudança de tom por parte de Ancara, dois líderes políticos turcos admitiram pela primeira vez que as punições aplicadas após a tentativa frustrada de golpe de Estado, no dia 15 de julho, muito criticadas no exterior, podem ter provocado "erros". As autoridades também expressaram descontentamento com a Alemanha, que vetou a exibição de uma mensagem do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, durante uma manifestação pró-governo no domingo, na cidade de Colônia.
"Se aconteceram erros, corrigiremos", disse o vice-primeiro-ministro, Numan Kurtulmus, enquanto o expurgo de simpatizantes do pregador Fetullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, a quem Ancara acusa de ter organizado o golpe, afeta principalmente o Exército, a Justiça, o sistema educacional e a imprensa. "Os cidadãos que não têm ligação com os simpatizantes devem ficar tranquilos porque nenhum mal será feito a eles. No entanto, os que estão vinculados ao imã têm que ter medo e pagarão o preço", reiterou o vice-premiê ao falar sobre os simpatizantes de Gülen, que teve a extradição solicitada por Ancara a Washington.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia