Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de agosto de 2016. Atualizado às 21h46.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

Alterada em 11/08 às 21h51min

Exército mantém controle do acesso à Vila do João após ataque à Força Nacional

Soldados do Exército mantêm o controle do acesso à comunidade Vila do João, onde três militares da Força Nacional foram feridos ontem (10) à tarde. Dois jipes foram estacionados na entrada, no entroncamento com a Linha Amarela, e os soldados ficaram posicionados de frente para uma das ruas principais da comunidade, que faz parte do Complexo da Maré.
Ao longo da manhã e do início da tarde, um grande efetivo entrou na Vila do João, incluindo homens do Exército, da Polícia Federal, Polícia Militar e Força Nacional. O objetivo é encontrar três traficantes apontados como envolvidos no ataque em que um dos soldados foi atingido por estilhaços, outro por um tiro de raspão e um terceiro por uma bala na testa. Eles erraram o caminho, quando tentavam acessar a Linha Vermelha.
De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, no início da noite desta quinta-feira (11) o soldado Hélio Andrade permanecia muito grave no Centro de Tratamento Intensivo do Hospital Municipal Salgado Filho.
Mais cedo, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, que estava no Parque Olímpico de Deodoro, comentou a operação das Forças Armadas no Complexo da Maré.
"Desde as 2h o Exército bloqueou as principais saídas, com apoio da Força Nacional, enquanto o Batalhão de Operações Especiais [Bope] iria vasculhar a Vila do João para tentar encontrar os responsáveis que fizeram aquilo. Vamos continuar procurando, não por uma questão de revidar, mas porque os responsáveis têm de ser punidos", disse Jungmann.
Até o meio da tarde, o serviço Disque Denúncia já havia recebido até o meio da tarde, 11 informações sobre os três traficantes apontados como responsáveis pelo ataque.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia