Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de agosto de 2016. Atualizado às 15h35.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

RIO-2016

Alterada em 23/08 às 15h37min

Padilha diz que Petrobras fará aporte para viabilizar realização da Paralimpíada

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou nesta terça-feira que a Petrobras será uma das estatais federais que farão aportes para a realização da Paralimpíada, que começa no dia 7 de setembro, no Rio.
No total, a União participará com R$ 100 milhões, divididos entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Caixa Econômica Federal, Embratur, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Petrobras.
A Apex contribuirá com R$ 30 milhões, enquanto a Embratur entrará com outros R$ 8 milhões. Padilha não revelou de quanto seria o aporte da Petrobras e dos demais órgãos federais.
A petroleira havia decidido não patrocinar a Olimpíada por causa da grave crise que enfrenta desde o início das investigações da Operação Lava Jato. A estatal declarou no último balanço, referente ao segundo trimestre de 2016, que possui uma dívida R$ 332,4 bilhões.
Nas últimas semanas, no entanto, houve uma mobilização do governo federal para viabilizar a realização da Paralimpíada, depois que o Comitê Rio-2016 anunciou que não tinha recursos para arcar sozinho com os gastos.
Além dos R$ 100 milhões do governo federal, a prefeitura do Rio aportará R$ 150 milhões na organização dos Jogos Paralímpicos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia