Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 01h41.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

Notícia da edição impressa de 08/08/2016. Alterada em 08/08 às 01h43min

Brasil empata novamente e torcida pede por Marta

Brasil de Neymar volta a empatar sem fazer gols, desta vez contra o Iraque

Brasil de Neymar volta a empatar sem fazer gols, desta vez contra o Iraque


EVARISTO SA / AFP/JC
Apática, desorganizada e sem capacidade de finalização, a seleção brasileira de futebol masculino deu um vexame na noite deste domingo (7) ao empatar em 0 a 0 com o fraquíssimo Iraque. O time comandado por Neymar foi incapaz de superar a defesa iraquiana e, por pouco, não saiu derrotado do estádio Mané Garrincha, em Brasília. Revoltada com o que via em campo, a torcida decidiu protestar e cantar pelo nome de Marta, principal destaque da equipe feminina, que carrega 100% de aproveitamento.
Com a segunda atuação muito a desejar - já havia empatado sem gols com a África do Sul -, o sonho do ouro olímpico fica ainda mais difícil. Com mais um tropeço, o Brasil vai pressionado para a última rodada da fase de grupos: precisa vencer a Dinamarca, líder do Grupo A com 4 pontos depois de bater a África do Sul por 1 a 0, na quarta-feira, na Arena Fonte Nova, em Salvador.
Com o meio de campo jogando muito espaçado, a defesa falhou nos cruzamentos, e Felipe Anderson continuou desaparecido. Pelo menos Zeca apoiou mais e Renato Augusto teve mais participação.
Na frente, Gabriel Barbosa, sobretudo, e Gabriel Jesus ao menos procuraram se movimentar mais. Neymar, porém, ficou muito pela esquerda e voltou a querer resolver sozinho. Mas o grande pecado da seleção foi cair na provocação dos iraquianos. Desde o início deixaram claro que um empate para eles seria maravilhoso e para tentar buscá-lo passaram a enervar os brasileiros com muita catimba, cera e faltas violentas. Resultado: várias discussões em campo e, inclusive, entre os técnicos.
Nervoso e apressado, e descontrolado, o time de novo não conseguiu chegar, na primeira etapa, ao "detalhe" do gol. E saiu vaiado, apupo que começou aos 47 minutos quando Gabriel Jesus, que concluiu quatro vezes e a bola não entrou, errou lance bobo. É verdade que Renato Augusto acertou a trave. Mas o Iraque acertara antes, em um lance em que Marquinhos e o goleiro Weverton falharam.
Assim, como fizera na estreia, Rogério Micale apelou para seu plano B. Desta vez, já no intervalo, colocando Luan no lugar de Felipe Anderson. O problema é que, com o 4-4-2, ficou um espaço imenso entre o meio de campo e o ataque. O treinador percebeu o erro e com nove minutos abandonou o plano alternativo. Rafinha entrou para recompor o meio no lugar de Gabriel Jesus, que saiu vaiado e deve perder o lugar no time. No fim, a torcida saudou quem mereceu aos gritos de "Iraque, Iraque!".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia