Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de agosto de 2016. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

Notícia da edição impressa de 03/08/2016. Alterada em 02/08 às 21h44min

Sob críticas da Wada, COI quer 'revisão total' do sistema antidoping

Ao fim de mais de duas horas de discussão, o congresso do Comitê Olímpico Internacional (COI) aprovou ontem, por larga maioria, a decisão do Comitê Executivo sobre o caso Rússia, dando respaldo ao presidente Thomas Bach. Houve apenas um voto contra. Sob grande pressão pela indefinição da situação às vésperas dos Jogos do Rio, e sob críticas da Agência Mundial Antidoping (Wada) por não ter referendado o pedido de banimento completo da delegação russa, expresso no relatório McLaren, o presidente do COI abriu o 129º congresso do órgão em um hotel da Barra, com um grande debate sobre a luta contra o doping.
Bach pretendia fazer uma espécie de prestação de contas ao Congresso (formado por representantes de todos os países filiados) das decisões recentes do Comitê Executivo da entidade, que optou por não banir completamente a Rússia e estabelecer dois "filtros" para o sinal verde para a participação dos atletas do país no Rio: o "ok" de cada federação internacional do esporte e por último a aprovação de uma comissão especial recém-criada do próprio COI.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia