Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de agosto de 2016. Atualizado às 18h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 31/08 às 18h13min

Em Nova Iorque, ouro fecha próximo ao menor patamar em dois meses

O ouro fechou em queda nesta quarta-feira (31), se aproximando da mínima em dois meses, com os investidores na expectativa de uma possível alta de juros nos EUA em breve. Juros mais altos tendem a reduzir a atratividade do ouro, que se torna menos rentável que a renda fixa.
O contrato mais negociado de ouro na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), para dezembro, caiu 0,39%, a US$ 1.311,40 por onça-troy.
O movimento coincide com a alta das expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) possa elevar os juros nos próximos meses. As apostas sobre os futuros dos fed funds, uma ferramenta popular para expressar opiniões sobre a perspectiva da política do BC, mostravam uma chance de 30% de elevação de juros em setembro no final desta quarta-feira, de 24% na véspera. As chances de dezembro passaram de 55,9% para 56,4%.
Investidores aguardam, agora, os dados de criação de empregos de agosto, divulgados na sexta-feira, dia 2, pelo Departamento do Trabalho. Nesta quarta, o relatório da ADP considerado como a prévia do payroll mostrou geração de 177 mil vagas no setor privado no mês.
Para o ouro, "o caminho de menor resistência continua sendo para baixo", afirma Peter Hug, diretor da Kitco Metals, em nota a clientes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia