Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de agosto de 2016. Atualizado às 17h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

30/08/2016 - 17h11min. Alterada em 30/08 às 17h14min

Statoil é parceira prioritária da Petrobras, diz Pedro Parente

A estatal norueguesa Statoil é uma "parceira prioritária da Petrobras", segundo o presidente da petroleira brasileira, Pedro Parente, que participa da Offshore Northern Seas (ONS), na Noruega. Na manhã desta terça-feira (30) a empresa divulgou comunicado no qual informa ter assinado um memorando com a Statoil em que as duas companhias "se comprometem a avaliar oportunidades de parceria para aprofundar suas atuações estratégicas".
O acordo inclui sociedade em leilões de áreas exploratórias, negócios na área de gás natural e compartilhamento de tecnologia para a recuperação de campos maduro de produção, em fase de decadência. Não houve até agora, no entanto, qualquer discussão relacionada a financiamento por parte do governo norueguês, segundo Parente.
"A Statoil já é um parceiro de longa data da Petrobras e eles têm tecnologias que nos interessam bastante, como a de aumentar o porcentual de extração das reservas dos campos. Isso para nós é uma coisa extremamente relevante para utilização nos campos que já estão maduros ou em fase de redução. Essa tecnologia deles tem um interesse muito especial para nós", afirmou o presidente da Petrobras, em áudio divulgado pela assessoria de imprensa, no qual o executivo comenta o acordo.
Parente disse que as duas empresas ainda não definiram por quais áreas vão concorrer juntas no leilão do pré-sal marcado para o ano que vem, porque ainda aguardam que o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) anuncie os blocos da concorrência. "Pode ser que as empresas tenham visões diferentes sobre as áreas ofertadas e nada impedirá que a gente participe de maneira isolada. Mas o objetivo é fazer com que a gente possa trocar informações e experiências sobre as áreas que venham a ser colocadas em leilão para que a gente possa, eventualmente, concordar com uma parceria numa dessas", disse Parente.
A Statoil adquiriu a participação da Petrobras no campo de pré-sal de Carcará, na Bacia de Santos, no mês passado. Segundo o presidente da Petrobras, o acordo firmado agora é um desdobramento dessa negociação. As duas petroleiras atuam juntas em 13 blocos, em fase de exploração ou de produção, sendo dez no Brasil e três no exterior. "O critério de escolha (de parceiras) é sempre ver se existe um valor relevante a ser adicionado. E, no caso da Statoil, claramente existe", afirmou Parente, acrescentando que não há exclusividade com a estatal norueguesa e que novos acordos, com outras petroleiras, podem ser firmados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia