Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de agosto de 2016. Atualizado às 15h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

Alterada em 29/08 às 15h29min

Presidente da GM do Brasil vai assumir área global de veículos compartilhados

O executivo colombiano Santiago Chamorro está deixando a presidência General Motors no Brasil depois de três anos à frente das operações para assumir a área global de experiência do consumidor, responsável pelos novos usos dos automóveis. Entre os segmentos que Chamorro vai comandar estará a estratégia de carros autônomos, o serviço de veículos compartilhados e a parceria da GM com o app de caronas Lyft.
Citando a presidente global da marca, Mary Barra, Chamorro afirma que os novos modelos de uso de automóveis - em que parte dos consumidores deixará de ser proprietária de um veículo para pagar por seu uso - deverá trazer mais mudanças ao setor automotivo nos próximos cinco anos do que nas últimas cinco décadas. "O que percebemos é que a adoção dessas novas formas de uso está sendo muito rápida, tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil", disse o executivo nesta segunda-feira, 29, em entrevista.
Chamorro, que será substituído no Brasil por Carlos Zarlenga (ex-diretor financeiro da GM para a América Latina) a partir da próxima quinta-feira, dia 1º, afirma que os testes feitos com a plataforma Maven - que permite o aluguel de carros da montadora - foram muito bem aceitos no Brasil. O projeto-piloto de aluguel de frota, que começou na fábrica da marca em São Caetano do Sul (SP), já foi expandido para as demais unidades GM no Brasil e agora passará a ser adotados em condomínios e cidades (o piloto será em São Caetano).
Em São Caetano do Sul, a experiência na fábrica mostrou que o veículo compartilhado tem um tempo de uso muito maior do que os de propriedade particular. "Conseguimos aumentar para 30% o tempo de uso dos carros, consideradas as 24 horas do dia", explicou Chamorro. "A porcentagem de uso de um veículo de uma família varia de 5% a 7%. No restante, o automóvel fica parado na garagem de casa ou do trabalho."
Quanto ao mercado brasileiro, o executivo disse que espera uma recuperação mais consistente assim que as reformas estruturais - trabalhista, previdenciária e tributária, por exemplo - começaram a sair do papel.
De qualquer forma, a GM já trabalha com um mercado de 2,4 milhões de veículos para 2017, contra 2,15 milhões para este ano. "Acho que passamos o fundo do poço, em maio e junho. Julho já melhorou um pouco e agosto está indo conforme o planejando", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia