Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de agosto de 2016. Atualizado às 18h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tributos

Alterada em 23/08 às 18h51min

Governo se esforça para conter despesas e evitar aumento de impostos, diz Dyogo

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta terça-feira (23), que o governo do presidente em exercício, Michel Temer, trabalha a fim de impedir que a proposta orçamentária de 2017 contemple uma eventual elevação de tributos. A fala de Dyogo, na saída do encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), repete a linha do discurso do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, do final de semana.
"Estamos fazendo todo o esforço, focando o máximo possível a contenção das despesas de modo a evitar que haja um aumento de impostos", disse Dyogo.
Segundo o ministro do Planejamento, a visita a Renan teve por objetivo ressaltar a importância de se aprovar "o mais brevemente possível" no Congresso o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, que revisa a meta fiscal do próximo ano, e no Senado a proposta de emenda à Constituição (PEC) que recria a Desvinculação das Receitas da União (DRU).
Segundo Dyogo, a aprovação da DRU não traz folga orçamentária neste ano, porque já foi considerada no texto atualmente em vigor. Mas ele ressaltou que ela precisa ser mantida para que não haja frustração do orçamento deste ano. "Por isso, reforçamos o pedido ao presidente Renan para que dê prioridade à votação da DRU", disse.
Dyogo Oliveira também disse que a decisão do governo Temer foi de trabalhar para adiar no Congresso a votação de propostas de reajuste salarial para categorias do funcionalismo público para setembro.
O ministro do Planejamento disse não ter tratado do assunto com Renan, mas, diante da insistência dos questionamentos dos repórteres, reconheceu que projetos nesse sentido terão impacto para os cofres públicos. Ele ressalvou, porém, que a maioria dessas negociações tinha sido acertada pelo governo da presidente afastada, Dilma Rousseff.
"Um aumento de despesas agora tem impacto no orçamento, alguns desses reajustes estavam previstos, a maior parte deles, e a maior parte também é derivada de negociações e acordos que foram assinados pelo governo anterior. Então, é preciso que essas coisas também sejam levadas em consideração, mas efetivamente qualquer aumento tem impacto no orçamento e na despesa", afirmou.
Dyogo disse que a questão dos reajuste salariais tem sido "bastante debatida", mas destacou que, no momento, não há necessidade que haja uma "aceleração" dessas discussões no Congresso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia