Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de agosto de 2016. Atualizado às 08h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Cobre cai e atinge mínima em seis semanas em meio a alta de estoques em Londres

O cobre opera em queda nesta terça-feira (23), atingindo uma mínima em seis semanas, depois que os armazéns de Londres ressaltaram um excesso de oferta.

Por volta das 7h10min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) recuava 0,40%, a US$ 4.740,00 por tonelada. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre com entrega para setembro tinha queda de 0,37%, a US$ 2,1320 por libra-peso, às 7h25min (de Brasília).

De acordo com dados diários da LME, os estoques em Londres subiram 8,9%, para 229.375 toneladas na segunda-feira. Eles já avançaram cerca de 50% desde abril.

Os analistas do Citi apontam que este excesso de oferta tem pesado nos preços do cobre devido aos grandes projetos no Peru. Ainda assim, eles preveem que este excesso tem curta duração.

"Todas as quatro [minas do Peru] já atingiram a capacidade máxima durante a primeira metade do ano, sugerindo que o pico corrente do lado da oferta é provável que seja de natureza temporária", escreveram em uma nota aos clientes.

A demanda firme da China apoiará o cobre a subir em torno de US$ 4.800 no resto do terceiro trimestre, apontou o Citi.

Entre os outros mercados na LME, o zinco subiu 0,5%, para US$ 2.297 a tonelada, o estanho avançou 0,3%, para US$ 18.485 a tonelada e o níquel ganhou 0,1%, para US$ 10.280 a tonelada. Já o chumbo ficou praticamente estável a US$ 1.852 a tonelada e o alumínio caiu 0,1%, a US$ 1.666 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia