Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de agosto de 2016. Atualizado às 01h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 19/08/2016. Alterada em 18/08 às 21h45min

Coeficiente de exportação permanece estável no segundo trimestre, divulga Fiesp

Retração mais acentuada foi sentida no segmento de produtos têxteis

Retração mais acentuada foi sentida no segmento de produtos têxteis


JOSÉ PAULO LACERDA/DIVULGAÇÃO/JC
A parcela da produção da indústria da transformação dedicada às exportações ficou praticamente estável no segundo trimestre, marcando 20,9%, após fechar o primeiro trimestre em 21%, informou a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Por outro lado, a participação dos produtos importados no total consumido pelos brasileiros subiu de 19,1% para 20,1% no mesmo período, em nível próximo ao do segundo trimestre do ano passado: 20,3%.
Entre abril e junho, o indicador de exportação, medido pelos departamentos de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) e Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, refletiu, mais uma vez, a desvalorização do real, segundo a entidade. De acordo com o relatório, os embarques de produtos brasileiros ao exterior subiram 0,5% em volume na passagem do primeiro para o segundo trimestre, enquanto a produção nacional teve alta de 1,1%.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia