Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de agosto de 2016. Atualizado às 01h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 18/08/2016. Alterada em 18/08 às 01h12min

Fed está dividido sobre alta dos juros

Para conselheiros do Federal Reserve, é preciso acumular mais dados

Para conselheiros do Federal Reserve, é preciso acumular mais dados


MANDEL NGAN/AFP/JC
O Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) está dividido sobre aumentar ou não, num futuro próximo, a taxa básica de juros nos EUA. É o que sinalizam atas da reunião de 26 e 27 de julho do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), divulgadas pela instituição ontem. No encontro, o grupo decidiu manter a taxa em uma faixa entre 0,25% e 0,50%. "Os membros em geral concordam que, antes de dar outro passo em remover o ajustamento monetário, é prudente acumular mais dados, para poder avaliar a dinâmica do mercado de trabalho e da atividade econômica", afirma o documento.
As atas deixaram o mercado confuso sobre a possibilidade de ver aumento ainda em 2017, o que seria uma demonstração de força da economia norte-americana. Os juros caíram para quase zero durante a recessão do fim dos anos 2000, como forma de estimular uma economia combalida. Taxas baixas encorajaram investidores a expandir seus negócios, usando créditos baratos, e bancos a emprestar dinheiro para pessoas comprarem carros e casas, por exemplo. A última alta foi em dezembro - a taxa estava congelada desde 2006, início da recessão nacional.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia