Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de agosto de 2016. Atualizado às 16h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 17/08 às 16h43min

Refinaria Abreu e Lima bate recorde de processamento de petróleo

Agência Brasil
A  Abreu e Lima (RNEST) voltou a bater recordes de processamento de petróleo e produção de derivados, em julho. Segundo dados divulgados pela Petrobras, as novas marcas foram obtidas no volume de carga processada, na produção de diesel S-10 e de nafta petroquímica
A unidade do Nordeste fechou o mês de julho batendo, pelo terceiro mês consecutivo, o recorde de carga média processada, com a marca de 99,18 mil barris de petróleo por dia, volume 2,3% maior que o recorde anterior de 96,96 mil barris dia obtido em junho.
A nota indica que em julho foram processados 3,07 milhões de barris de petróleo, carga 4,6% superior ao recorde de maio deste ano, que foi de 2,94 milhões de barris.
Já a produção de diesel S-10, com baixo teor de enxofre, atingiu em julho 373,57 mil metros cúbicos (m³), a maior do país, o equivalente a 32% da produção nacional do derivado. O resultado é 1,7% superior ao recorde anterior, obtido em março deste ano, que foi de 367,39 mil m³.
Já a produção de nafta petroquímica cresceu 1,6% em relação a maio deste ano, até então a maior produção, atingindo o total de 46,64 mil toneladas.
Na nota, a Petrobras avalia que os novos recordes "reafirmam a busca contínua da estatal pelo aumento da eficiência operacional de suas refinarias, com excelência na gestão integrada do sistema de abastecimento, o que contribui para a redução das importações de derivados e para uma maior rentabilidade da empresa".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia