Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de agosto de 2016. Atualizado às 14h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 17/08 às 14h14min

Aneel volta a recomendar que não seja renovada concessão de usina da Cemig

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a decisão de recomendar ao governo que não renove a concessão da usina de Miranda, que pertence à Cemig. A companhia havia entrado com recurso na tentativa de reverter o posicionamento do órgão regulador, que, no dia 12 de julho, manifestou-se contra a prorrogação do contrato da hidrelétrica por mais 20 anos. A agência negou o pedido de reconsideração.
Com o fim da discussão na esfera administrativa, o advogado Guilherme Coelho, do escritório Sergio Bermudes, que representou a Cemig na reunião da terça-feira (16) afirmou que a empresa deve levar o caso para a Justiça.
Com 408 MW de potência instalada, Miranda terá sua concessão encerrada em 23 de dezembro deste ano. A Cemig pleiteava sua prorrogação nos mesmos termos do contrato em vigor, sem redução de receitas, por mais 20 anos. Na avaliação da empresa, o contrato da usina e uma lei de 1997 asseguram uma renovação nesses termos.
A Aneel voltou a argumentar que a renovação da concessão só poderia ser feita de acordo com a legislação atual, que tem origem na polêmica Medida Provisória 579/2012. Pela lei vigente, em troca de um contrato de mais 30 anos, a Cemig teria que ter aceitado, em 2012, diminuir os ganhos com a energia produzida pela usina.
Foi essa negociação que proporcionou a redução da conta de luz em 20% para todos os consumidores. A Cemig aceitou esses termos para todas as suas linhas de transmissão e usinas, com exceção de Jaguara, São Simão e Miranda. Com essa decisão, poderia continuar a explorar as usinas até o vencimento do contrato de cada uma delas.
O governo quer leiloar essas usinas para um novo operador e arrecadar recursos por meio da cobrança de outorga. A estimativa é que seria possível obter R$ 10 bilhões com a licitação das três usinas. Os planos da União, no entanto, esbarram nas ações judiciais que a Cemig têm para manter o controle das usinas.
A empresa possui uma liminar que mantém Jaguara em suas mãos no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Dias Toffoli determinou que a empresa e o governo negociem uma solução para o caso, mas ainda não houve uma conclusão. O contrato dessa usina, com 424 MW de potência, se encerrou em 28 de agosto de 2013.
Em relação à usina de São Simão, com 1.710 MW de potência, o processo está no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Nesse caso, a Cemig não tem mais liminar, mas aguarda o julgamento do mérito pelo STJ. O contrato dessa usina terminou em 11 de janeiro de 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia