Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 10h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 12/08 às 10h10min

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica e recuo de 6,8% na demanda em julho

No acumulado até julho, a queda na demanda é de 8,2%

No acumulado até julho, a queda na demanda é de 8,2%


Marcelo G. Ribeiro/JC
A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a igual período de 2015.
A retração na demanda doméstica foi de 6,8% no mês, levando a taxa de ocupação para 84,3%, estável ante um ano. Já no acumulado até julho, a queda na demanda é de 8,2%, conforme o indicador RPK, e a taxa de ocupação apresenta redução de 1,6 ponto porcentual, para 77,9%.
No mercado internacional, as quedas em oferta e demanda foram, respectivamente, de 16,7% e 17,9% ante julho de 2015. No acumulado do ano, os indicadores recuaram 15,8% e 12,5% na mesma comparação. Já a taxa de ocupação fechou julho em 75,4%, 1,1 p.p. menor, e em sete meses cresceu para 74,3%, de 71,5% no período de janeiro a julho de 2015.
No sistema total, a oferta caiu 8% e a demanda, 8,1% na comparação mensal, enquanto na comparação de sete meses a diminuição foi de 7,6% e 8,7%, respectivamente. A Gol informa ainda que o volume de assentos disponíveis para venda no sistema total ficou 22,0% menor em julho sobre o mesmo mês de 2015, e 15,5% abaixo na relação de sete meses. Quanto a decolagens, as reduções de volume foram de 22,3% e 15,6%, respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia