Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanços

Notícia da edição impressa de 12/08/2016. Alterada em 11/08 às 21h14min

Lucro do Banco do Brasil recua 18% no 2º trimestre

Paulo Caffarelli acredita que a estabilidade reduzirá a inadimplência

Paulo Caffarelli acredita que a estabilidade reduzirá a inadimplência


PEDRO LADEIRA/FOLHA PRESS/JC
O aumento das provisões para devedores duvidosos e o crédito mais fraco afetaram os resultados do Banco do Brasil (BB). A instituição financeira, a maior do País, viu seu lucro cair 18% no segundo trimestre, para R$ 2,465 bilhões. No acumulado do ano, o lucro foi de R$ 4,824 bilhões, um tombo de 45%, também gerado pelos gastos necessários para lidar com possíveis calotes.
O BB considera essas provisões como um efeito extraordinário, ou seja, que não deve se repetir. Ao desconsiderar esse efeito, o lucro ajustado ficou, no segundo trimestre, em R$ 1,801 bilhão, uma queda de 40,8% na comparação com igual trimestre do ano passado e uma alta de 40% em relação aos três primeiros meses do ano. Já no acumulado do semestre, o lucro ajustado ficou em R$ 3,087 bilhões, recuo de 49,1%.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia