Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agr

Notícia da edição impressa de 12/08/2016. Alterada em 11/08 às 21h08min

Ministério do Desenvolvimento Agrário será 'recriado' em setembro, diz ministro

 ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Marcelo Camargo - Agência Brasil

ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Marcelo Camargo - Agência Brasil


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou nesta quinta-feira, após participar de Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária no Senado, que o presidente interino Michel Temer já definiu que em setembro - após a conclusão do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff - vai recriar o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Na reforma ministerial de Temer, que prometeu cortar pastas, o MDA passou a ser a Secretaria de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário e ficou subordinada à Casa Civil.
Segundo Padilha, ao tomar ciência das pendências e do tamanho das questões que a pasta possui, o presidente interino Temer decidiu voltar à ideia de ter alguém que vai pensar 24 horas nos temas e "no patamar de ministro". "Eu tenho tantas ocupações que o tempo para cuidar da Secretaria de Desenvolvimento Agrário não é o que seria indispensável", justificou. "Dai porque o presidente disse: tão pronto seja vencida a interinidade, que se tenha os estudos para a reimplantação do Ministério do Desenvolvimento Agrário."
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia