Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 12/08/2016. Alterada em 11/08 às 21h06min

Plantio do milho começa na Metade Norte do Estado

Primeiras lavouras já apresentam boa germinação, informa Emater

Primeiras lavouras já apresentam boa germinação, informa Emater


CAMILA DOMINGUES/PALÁCIO PIRATINI/JC
Segundo a Emater, na área compreendida entre o Centro e o Noroeste da Metade Norte do Estado (regiões da Fronteira Noroeste, Missões, Celeiro, Alto Jacuí e Noroeste Colonial), já começou, em algumas localidades, o plantio da safra de milho, em conformidade com o zoneamento agroclimático e características climatológicas locais. Na grande maioria dos municípios gaúcho está em andamento o preparo do solo para realizar a semeadura, sendo que para os próximos dias essa prática deverá se intensificar. Produtores estão realizando a dessecação das culturas de cobertura - aveia preta e nabo forrageiro.
Na microrregião de Santa Rosa/Três de Maio, a lavoura apresenta boa germinação e formação de stand. Em muitos municípios as prefeituras e sindicatos já disponibilizam as sementes do programa Troca-Troca do governo do Estado.
No ano passado, foram cultivados 771 mil hectares de milho no Rio Grande do Sul. Segundo o assistente técnico da Emater Alencar Paulo Rugeri, ainda não há certeza sobre a dimensão da área de milho na próxima safra, mas a tendência de crescimento seria irreversível.
"O milho está em um patamar de preço mais favorável. Travando o preço por meio da comercialização futura, o agricultor tem tranquilidade no retorno financeiro", destaca o técnico. Além do viés econômico, segundo Rugeri, a necessidade de rotação de culturas é outro fator responsável pela retomada do grão, que vinha perdendo espaço nos últimos ciclos produtivos.
No caso do milho destinado para a silagem, há tendência de permanecer a mesma área ou mesmo apresentar pequena diminuição, devido, entre outros problemas, ao abandono da atividade de bovinos de leite em algumas propriedades. Agricultores que obtêm renda da comercialização de milho verde já iniciaram a semeadura no intuito claro de ofertar o mais cedo possível aos consumidores e auferir melhores lucros.
Em relação às lavouras de inverno, as condições climáticas têm sido favoráveis ao bom desenvolvimento dos cereais e da canola, especialmente na parte Norte do Rio Grande do Sul. Com temperaturas baixas, principalmente à noite, boa insolação durante o dia e precipitações suficientes ao bom desenvolvimento da cultura, o trigo se encontra em final de estádio vegetativo com excelente potencial produtivo. As lavouras semeadas no cedo já atingem as fases de elongamento e florescimento.
A maioria das lavouras de canola se mantém nos estádios de crescimento, floração e frutificação. No momento, o desenvolvimento geral da cultura é bom, apresentando boa resposta às adubações de cobertura nitrogenada já concluídas. Em algumas áreas de lavouras, especialmente no Planalto Médio, as plantas estão com porte menor do que o normal devido a geadas e frios intensos na fase de desenvolvimento vegetativo. Nas regiões do Noroeste Colonial, Celeiro e Alto Jacuí, a cultura vem apresentando um dos melhores potenciais produtivos dos últimos anos, projetando bom rendimento de lavoura e animando os produtores.
O risco da canola daqui para frente é com possíveis geadas; se houver ocorrência, será fatal para a cultura.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia