Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de agosto de 2016. Atualizado às 11h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

Alterada em 11/08 às 11h10min

Bancos esperam que déficit primário feche o ano em R$ 158,8 bilhões

Agência Brasil
Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam que o déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) termine este ano em R$ 158,8 bilhões ante os R$ 155,5 bilhões previstos anteriormente. 
A projeção consta da nona edição da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações de 30 instituições. O resultado foi divulgado hoje (11), em Brasília. Para 2017, a estimativa de déficit passou de R$ 129,2 bilhões para R$ 138,5 bilhões .
A projeção para a arrecadação federal este ano passou de R$ 1,275 trilhão para R$ 1,269 trilhão. Para 2017, a estimativa foi reduzida de R$ 1,372 trilhão para R$ 1,364 trilhão.
Para a receita líquida do Governo Central a estimativa é que caia de R$ 1,085 trilhão este ano para R$ 1,082 trilhão e, no ano que vem, apresente também queda, registrando R$ 1,174 trilhão .
Para as despesas, a expectativa é de elevação de R$ 1,228 trilhão para R$ 1,241 trilhão este ano, e passe de R$ 1,301 trilhão para R$ 1,315 trilhão em 2017.
A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, deve cair de 73,55% do Produto Interno Bruto (PIB) para 73,50% este ano. Para 2017, a estimativa mudou de 78,50% para 78,20% do PIB, a soma de todas as riquezas produzidas pelo país.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia