Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de agosto de 2016. Atualizado às 17h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 10/08 às 17h41min

Petróleo fecha em queda após aumento dos estoques semanais nos EUA

Os preços do petróleo recuaram nesta quarta-feira, após dados do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE) mostrarem aumento dos estoques da commodity e seus derivados na semana passada.
A percepção de que a saturação do mercado de energia ainda está longe de ser solucionada fez com que o WTI negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) caísse 2,47%, a US$ 41,71 por barril. Já o Brent negociado na ICE, em Londres, recuou 2,06%, a US$ 44,05.
Segundo o DoE, os estoques norte-americanos de petróleo bruto subiram 1,055 milhão de barris na semana encerrada em 29 de julho, para 523,601 milhões de barris. A alta contrariou analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam recuo de 800 mil barris. No entanto, a queda maior do que o esperado nos estoques de gasolina deixou os investidores com sentimentos mistos num primeiro momento. No fim da manhã, o petróleo se firmou no campo negativo.
Além disso, os estoques globais de petróleo continuam acima dos níveis médios devido a anos de alta produtividade. "Se nós não começarmos a ver alguma queda nesse número de barris armazenados, o mercado terá dificuldades de retornar à trajetória ascendente", afirmou Gene McGillian, gerente de pesquisa na Tradition Energy.
Na segunda-feira, dia 8, o petróleo havia subido em meio a boatos de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) estaria disposta a discutir termos sobre um possível congelamento na produção, com o objetivo de combater o excesso de oferta. No dia seguinte, no entanto, a esperança dos investidores virou ceticismo e puxou a commodity para baixo.
"O papo sobre congelamento na produção é só conversa e nada de ação", afirmou Andy Lipow, presidente da Lipow Oil Associates. "Nós vimos esses tipos de anúncio com tanta frequência em 2016 que o mercado se tornou imune a eles", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia