Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de agosto de 2016. Atualizado às 02h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio exterior

Notícia da edição impressa de 10/08/2016. Alterada em 09/08 às 21h58min

Efeitos da queda do dólar só serão sentidos por exportadores em 2017, afirma AEB

Impactos nos embarques seriam marginais para segmentos que têm elevado as vendas

Impactos nos embarques seriam marginais para segmentos que têm elevado as vendas


MARCOPOLO/DIVULGAÇÃO/JC
O efeito da queda do dólar sobre as exportações brasileiras será sentido apenas em 2017, na avaliação de José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). Como os contratos dos exportadores são, em geral, fechados com pelo menos seis meses de antecedência, o impacto para este ano será marginal, diz.
"Quem já fechou contrato já fechou e vai ter prejuízo. Mas muitos que ainda estavam pensando em fechar não vão fechar. Havia uma expectativa de que o dólar caísse este ano, mas não que caísse tão rápido", afirma Castro, para quem o patamar ideal do dólar é R$ 3,70.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia