Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de agosto de 2016. Atualizado às 08h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

09/08/2016 - 08h08min. Alterada em 09/08 às 08h08min

Bolsa de Tóquio sobe com avanço do petróleo e especulação sobre China

A Bolsa de Tóquio fechou em alta moderada nesta terça-feira, após o forte avanço do petróleo nos negócios de ontem e dados de inflação chineses gerarem especulação de que Pequim poderá voltar a adotar medidas de estímulos.
O índice Nikkei, que reúne as ações japonesas mais líquidas, subiu 0,69%, encerrando o dia a 16.764,97 pontos, depois de avançar 2,44% no pregão anterior.
O petróleo mostrou forte desempenho ontem, com ganhos que variaram de 2,5% a 2,9%, após notícia de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) terá conversas informais em setembro que poderão levar a um acordo para congelar a produção da commodity.
Já a taxa anual de inflação ao consumidor na China desacelerou pelo terceiro mês consecutivo em julho, a 1,8%, o que os economistas viram como um sinal de que o gigante asiático tem espaço para relaxar ainda mais sua política monetária.
Nos próximos dias, a tendência é que o ritmo de negócios na bolsa japonesa diminua, uma vez que os mercados financeiros estarão fechados na quinta-feira devido a um feriado nacional e muitos operadores deverão estender a folga.
A Brother Industries foi destaque positivo hoje em Tóquio, com um salto de 19,26% em suas ações, após a fabricante de equipamentos para escritórios elevar sua projeção de lucro para o ano fiscal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia