Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 08h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

08/08/2016 - 08h36min.

Cobre avança, após dado bom dos EUA e à espera de indicadores da China

Os futuros de cobre operam em alta em Londres e Nova Iorque na manhã desta segunda-feira (8), sustentados por maior otimismo em relação à economia dos EUA após a publicação de dados fortes do mercado de trabalho norte-americano.

Por volta das 7h05min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,73%, a US$ 4.831,00 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para setembro avançava 0,88%, a US$ 2,1730 por libra-peso, às 8h10min (de Brasília).

Na sexta-feira, os EUA anunciaram a criação de 255 mil empregos em julho, resultado que veio bem acima das 179 mil vagas previstas por analistas.

O cobre mantém o tom positivo nos negócios da manhã apesar de dados fracos de importação da China. Em julho, as importações chinesas de cobre recuaram 14% ante o mês anterior, a 360 mil toneladas. Na comparação anual, no entanto, o volume importado representou alta de 2,9%.

Nesta semana, os investidores vão acompanhar uma série de outros indicadores chineses de peso, incluindo de inflação, produção industrial e vendas no varejo. A China é o maior consumidor mundial de cobre e de outros metais básicos.

Também na LME, a tendência entre outros metais era majoritariamente positiva. O alumínio para três meses subia 0,76%, a US$ 1.657,50 por tonelada, o chumbo avançava 0,87%, a US$ 1.802,00 por tonelada, o zinco registrava alta de 0,66%, a US$ 2.281,50 por tonelada, e o níquel tinha valorização mais expressiva, de 1,07%, a US$ 10.825,00 por tonelada. A única exceção era o pouco negociado estanho, que caía 0,38%, a US$ 18.280,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia