Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 08h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

08/08/2016 - 08h11min.

Bolsas asiáticas fecham em alta, após dado favorável de emprego dos EUA

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em alta nesta segunda-feira (8), após a divulgação de números animadores do mercado de trabalho dos EUA e sinais de que os esforços da China para reduzir seu excesso de capacidade industrial estão dando resultado.

Na sexta-feira, os EUA anunciaram a criação de 255 mil empregos em julho, resultado que veio bem acima das 179 mil vagas previstas por analistas. O dado, que mostra a recuperação da economia norte-americana, impulsionou as ações em Nova Iorque no fim da semana passada e também levou ao fortalecimento do dólar ante outras moedas, inclusive o iene, o que favoreceu hoje os negócios no mercado japonês.

Em Tóquio, o índice Nikkei saltou 2,44%, encerrando o dia a 16.650,57 pontos. O iene enfraquecido normalmente ajuda a alimentar a demanda por ações de exportadoras japonesas.

Na China, o Xangai Composto avançou 0,9%, a 3.004,28 pontos, registrando o maior ganho desde 26 de julho, graças à valorização de papéis do setor de carvão. Segundo a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês), o gigante asiático produziu 1,63 bilhão de toneladas de carvão no primeiro semestre, 9,7% menos que em igual período do ano passado, sugerindo que Pequim está conseguindo reduzir o excesso de capacidade produtiva da indústria local. O Shenzhen Composto, que é um índice chinês menos abrangente, subiu 1,1%, a 1.962,26 pontos.

O sentimento positivo na Ásia prevaleceu apesar de novos dados fracos da balança comercial chinesa. Em julho, tanto as exportações quanto as importações da China tiveram quedas anuais mais acentuadas do que se previa, de 4,4% e 12,5%, respectivamente. Além disso, as reservas internacionais da segunda maior economia do mundo voltaram a cair no mês passado, após avançarem em junho.

Em outras partes da região asiática, o Hang Seng teve alta de 1,57% em Hong Kong, a 22.494,76 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi subiu 0,65% em Seul, a 2.031,12 pontos, após a Standard & Poor's elevar o rating soberano da Coreia do Sul de AA- para AA, o Taiex avançou 0,6% no mercado taiwanês, à máxima em 13 meses de 9.150,26 pontos, e o filipino PSEi mostrou ganho mais moderado em Manila, de 0,29%, a 7.993,58 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana também avançou na esteira do indicador positivo de emprego dos EUA. Em sua terceira alta seguida, o S&P/ASX 200, que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, subiu 0,7%, a 5.537,80 pontos. Investidores na Austrália também precificam a expectativa de que o RBA, como é conhecido o banco central do país, voltará a cortar juros em novembro, após reduzir sua taxa básica em 0,25 ponto porcentual na semana passada, à mínima histórica de 1,5%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia