Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de agosto de 2016. Atualizado às 18h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/08/2016 - 18h39min. Alterada em 05/08 às 18h39min

Bolsas fecham em alta nos EUA, impulsionadas pelo relatório de emprego

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta sexta-feira (5), impulsionadas pelo forte relatório de emprego (payroll) dos Estados Unidos, que mostrou a criação de 255 mil vagas de emprego, muito além dos 179 mil previsto por analistas.
Com esse cenário otimista, o índice Dow Jones subiu 1,04% e fechou na máxima, aos 18.543,53 pontos, acumulando alta de 0,60% na semana. O S&P 500 também encerrou o dia na máxima, com alta de 0,86%, aos 2.182,87 pontos, e valorização semanal de 0,43%. O Nasdaq subiu 1,06% e fechou o pregão aos 5.221,12 pontos e variação de +1,14% na semana.
Logo após a divulgação do payroll, os índices futuros começaram a subir e, na abertura, já tiveram forte valorização.
De acordo com analistas e operadores, o payroll foi consistente o suficiente para sinalizar que a economia dos EUA está estável. Além do dado de julho vir melhor do que o esperado, o de junho foi revisado para cima. Os resultados dão força às especulações de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) possa elevar os juros da economia americana em breve.
"Agora, você tem uma boa economia e um Fed dovish na espera. Essa é a melhor combinação para o mercado de ações crescer", afirmou Zhiwei Ren, gerente na Penn Mutual Asset Management.
Alguns analistas, no entanto, não veem os juros sendo elevados tão cedo. Para Jeff Carbone, da Cornerstone Financial Partners, a incerteza na Europa provavelmente terá um impacto maior sobre a decisão do Fed de aumentar ou não as taxas. Fonte: Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia