Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de agosto de 2016. Atualizado às 17h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

03/08/2016 - 17h24min. Alterada em 03/08 às 17h24min

Petróleo fecha em alta, impulsionado por queda de estoques de gasolina dos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quarta-feira (3) impulsionados pela forte queda surpreendente nos estoques de gasolina divulgado pelo Departamento de Energia dos EUA (DoE) e com o mercado em uma tendência de alta.
O petróleo começou a semana caindo, mas os preços baixos tem atraído compradores, levando a recuperações esporádicas, o que é responsável por uma parte dos ganhos desta quarta-feira, juntamente com os dados divulgados pelo DoE. Os estoques de gasolina caíram 3,262 milhões de barris, para 238,19 milhões de barris, ante previsão de queda de 300 mil barris.
O WTI para setembro negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 3,34%, a US$ 40,83 por barril. O avanço do Brent para outubro, negociado em Londres, foi de 3,11%, indo a US$ 43,10 por barril.
Um excesso de oferta nos produtos do petróleo tem sido o principal fator para a queda dos preços da commodity, segundo analistas. Apesar de a demanda por produtos refinados em algumas regiões estar em alta recorde, a produção doméstica em alguns países, como a China, avançou, aumentando o volume disponível para exportação e surpreendendo até uma demanda recorde.
Entretanto, apesar da grande queda nos estoques de gasolina, os estoques norte-americanos de petróleo bruto subiram 1,413 milhão de barris na semana encerrada em 29 de julho, para 522,546 milhões de barris. A alta surpreendeu analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam recuo de 900 mil barris. E os estoques de destilados, que incluem diesel e óleo combustível para calefação, avançaram 1,152 milhão de barris, para 153,155 milhões de barris, ante previsão de queda de 100 mil barris.
"Os dados dos estoques de gasolina foram um passo na direção correta, isso é certo", disse Scott Shelton, corretor da ICAP PLC. "Mas os estoques de petróleo ainda não conseguimos baixar, então o fato de o petróleo estar em alta ainda é um mistério para mim", comentou. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia