Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de agosto de 2016. Atualizado às 11h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

03/08/2016 - 10h58min. Alterada em 03/08 às 11h03min

Exportações do agronegócio gaúcho somam US$ 3,562 bilhões no segundo trimestre

Entre os produtos mais exportados, a soja liderou as vendas externas no período

Entre os produtos mais exportados, a soja liderou as vendas externas no período


PORTO DE RIO GRANDE/DIVULGAÇÃO/JC
As exportações do agronegócio gaúcho totalizaram US$ 3,562 bilhões no segundo trimestre de 2016. O valor corresponde a 72,8% das vendas externas totais do Rio Grande do Sil, e representam leve alta de 0,2% na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme divulgou nesta quarta-feira (3) a Fundação de Economia e Estatística (FEE).
Os cinco principais setores que lideraram as exportadores foram soja, carnes, fumo e seus produtos, produtos florestais e couros e peleteria. Entre os principais destinos estão China, União Europeia, Irã, Estados Unidos, Coreia do Sul, Paquistão e Rússia. Juntos, os sete países responderam por 73,3% das exportações do setor.
No acumulado do ano, as exportações do agronegócio gaúcho somam de US$ 5,257 bilhões. Apesar do incremento em volume (2,1%), o valor exportado no acumulado do ano caiu 3,5%, enquanto os preços sofreram redução média de 5,5% comparativamente ao mesmo período de 2015.
Em relação ao emprego no setor, dados indicam que o agronegócio no Estado registrou a perda de 14.017 postos de trabalho no segundo trimestre, a maior queda no País. Vacaria (-2.083) e Santa Cruz do Sul (-1.383) foram os municípios que registraram as maiores perdas. O desempenho foi oposto ao registrado no primeiro trimestre, quando houve saldo positivo de mais de 20 mil empregos.
Mesmo com a baixa, explicada também pela sazonalidade das atividades agrícolas, a perda de postos de trabalho foi superior à observada em 2015. No Brasil, foram criados 90.519 empregos com carteira assinada no setor durante o segundo trimestre de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia