Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de agosto de 2016. Atualizado às 08h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

03/08/2016 - 08h25min.

Cobre opera em baixa, com dólar mais forte e realização de lucros

Os contratos futuros de cobre operam em queda, na manhã desta quarta-feira (3). Além do dólar mais forte, pesa um movimento de realização de lucros, depois de o metal fechar em alta na sessão anterior. A fraqueza recente do petróleo também reduz o apetite dos investidores pelas commodities.

Às 7h45min (de Brasília), o cobre para três meses caía 0,08%, a US$ 4.882,00 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), após tocar a mínima de US$ 4.851 a tonelada. Às 8h02min, o cobre para setembro recuava 0,61%, a US$ 2,1955 a libra-peso na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). "Trata-se provavelmente de realização de lucros por causa do dólar mais forte", disse Eugen Weinburg, analista do Commerzbank AG.

O índice para o dólar, que mede a moeda ante uma cesta de outras, subia 0,2% nesta manhã. Um dólar mais forte pressiona os preços do cobre, já que os contratos são denominados nesta moeda e com isso se tornam mais caros para os detentores de outras divisas.

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, antes do relatório de estoques do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês), mas seguem abaixo do nível de suporte de US$ 45 o barril, após caírem cerca de 5% nesta semana.

Weinburg disse que a queda recente no petróleo "provavelmente também levou a um sentimento mais fraco em relação aos outros metais da indústria".

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio subia 0,09%, a US$ 1.622,50 a tonelada. Outros metais, porém, operavam no negativo: o chumbo caía 0,63%, a US$ 1.810,00 a tonelada, o zinco recuava 0,77%, a US$ 2.257,50 a tonelada, o níquel tinha baixa de 0,09%, a US$ 10.715 a tonelada, e o estanho caía 0,14%, a US$ 17.965 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia