Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de agosto de 2016. Atualizado às 08h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

03/08/2016 - 08h08min. Alterada em 03/08 às 08h08min

Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em baixa, afetadas por petróleo e Japão

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira (3), em meio à continuidade da fraqueza do petróleo e a decepção com os últimos estímulos anunciados no Japão. Já nos mercados chineses, as ações subiram diante de sinais de possíveis novos cortes de juros ou de compulsórios bancários.
Nos negócios de ontem, o petróleo voltou a registrar perdas em Nova Iorque, após entrar em território baixista, ou seja, acumular desvalorização de mais de 20% desde que atingiu sua cotação máxima mais recente.
Além disso, há temores de que o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) possa começar a reduzir seus esforços de conceder estímulos monetários, após fazer ajustes apenas secundários em sua política na semana passada, e um pacote fiscal de 28 trilhões de ienes (cerca de US$ 277 bilhões) anunciado ontem pelo governo japonês não entusiasmou os investidores, uma vez que prevê menos gastos novos do que se esperava.
Em Tóquio, o índice japonês Nikkei caiu 1,88%, encerrando o dia a 16.083,11 pontos, enquanto na Coreia do Sul, o Kospi recuou 1,20% em Seul, a 1.994,79 pontos, e em Hong Kong, o Hang Seng teve queda de 1,76%, a 21.739,12 pontos, após não operar ontem devido a um alerta de tufão.
O petróleo fraco pressionou ações do setor de energia da região da Ásia e do Pacífico. A petrolífera Cnooc sofreu um tombo de 4,2% em Hong Kong, enquanto a Origin Energy recuou 2,7% na Austrália e a Japan Petroleum Exploration perdeu 2,3% no mercado japonês.
Na China, por outro lado, os mercados terminaram a sessão em tom positivo, após a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês), o principal órgão de planejamento econômico do país, afirmar que Pequim irá cortar taxas de juros e compulsórios bancários no momento apropriado. O Xangai Composto mostrou leve ganho de 0,2%, a 2.978,46 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,4%, a 1.934,81 pontos.
Entre bolsas asiáticas menores, o Taiex caiu 0,7% em Taiwan, a 9.001,71 pontos, enquanto o filipino PSEi teve queda mais expressiva, de 1,9%, a 7.888,44 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana recuou pelo segundo pregão consecutivo, diante da tendência de queda do petróleo. O S&P/ASX 200, que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, ficou abaixo de 5.500 pontos pela primeira vez em mais de uma semana, ao fechar em baixa de 1,4%, a 5.465,70 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia