Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de agosto de 2016. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 03/08/2016. Alterada em 02/08 às 21h31min

Fumicultores querem revogar norma do Banco Central

Resolução dificultou acesso ao crédito para os produtores de tabaco

Resolução dificultou acesso ao crédito para os produtores de tabaco


MARCELO G. RIBEIRO/JC
A Resolução do Banco Central (BC) nº 4.483, de 1 de julho, que restringe o acesso a recursos do Pronaf para os produtores de tabaco, poderá ser revertida hoje, quando o secretário especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário, José Ricardo Ramos Roseno, defenderá a sua suspensão por ad referendum, tendo em vista a urgência do calendário agrícola. Assim, o produtor já teria condições de operacionalizar o Pronaf antes da apreciação do Conselho Monetário Nacional, que se reúne somente no final deste mês. O encontro terá a presença de técnicos dos ministérios da Fazenda, do Planejamento e do BC.
Roseno participou ontem de reunião da Comissão Interestadual do Fumo, na sede da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), em Porto Alegre. No sentido de reforçar a urgência da revogação, o deputado estadual Elton Weber enviou ontem um pedido formal da bancada do fumo da Assembleia Legislativa à bancada gaúcha no Congresso, à Casa Civil e ao Ministério da Fazenda. Ele enfatiza a importância da continuidade de financiamento e avalia que a nova regra desestimula a diversificação em áreas produtoras de tabaco. A nota é assinada ainda pelos deputados Adolfo Brito (PP), Edson Brum (PMDB), Marcelo Moraes (PTB) e Pedro Pereira (PSDB). "Saí confiante de que a situação irá se resolver a favor dos nossos produtores. É uma mudança de regras absurda, que irá penalizar o campo", diz Weber.
A resolução, imposta para formalização de novos empréstimos, amplia a receita bruta com outras atividades agropecuárias em áreas de fumo dos atuais 20% para 30% já nesta safra; para 40% no ciclo 2017/18; e chega a 50% a partir de 2018/19.
O presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, acredita que será possível derrubar as resistências dentro do governo. Ele lembra que há urgência na decisão, porque muitos produtores não estão pegando o financiamento à espera do que irá acontecer, e o plantio começa neste mês.
Participaram do encontro o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Alberto Broch; o presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Werner; o secretário estadual de Desenvolvimento Rural, Tarcísio Minetto; e representantes da Farsul e da fumicultura catarinense.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia