Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de agosto de 2016. Atualizado às 17h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

02/08/2016 - 17h08min. Alterada em 02/08 às 17h08min

Ouro fecha em alta na expectativa de que o Fed não eleve os juros tão cedo

Os contratos futuros de ouro fecharam em alta nesta terça-feira, à medida que o apetite ao risco diminuiu. As preocupações com medidas não efetivas de bancos centrais para impulsionar as economias enfraquecidas no Japão e na Europa e a renovação das expectativas de que uma alta nos juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não deve ocorrer tão cedo aumentaram a procura pelo metal.
O ouro para dezembro, negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 0,95%, a US$ 1.372,60 por onça-troy, após uma alta modesta na segunda-feira. Este é o maior valor de fechamento desde 6 de julho.
"O ouro está aceitando o fato de que as políticas monetárias não estão funcionando", disse Ira Epstein, diretor de gerenciamento da corretora Linn Group.
O banco central da Austrália cortou a taxa de juros nesta terça-feira e é amplamente esperado que o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) também corte os juros na decisão de política monetária nesta quinta-feira, em uma tentativa de atenuar as consequências da decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (UE).
A alta do ouro ocorre antes do esperado relatório de emprego, o payroll, dos EUA, que será divulgado na sexta-feira e que pode ajudar a determinar o caminho para as commodities em dólar. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia