Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de agosto de 2016. Atualizado às 08h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

02/08/2016 - 08h36min.

Petróleo tem dia de recuperação após cair para abaixo de US$ 40

Os preços do petróleo operam em alta nesta terça-feira (2) após o WTI ter caído para abaixo de US$ 40 pela primeira vez desde abril na sessão de ontem. No entanto, os investidores seguem preocupados com o excesso de oferta tanto do petróleo bruto quanto dos combustíveis refinados.

Às 8h02min (de Brasília), o Brent para outubro na ICE, subia 1,68%, a US$ 42,85 por barril, enquanto o WTI para setembro avançava 1,37% na Nymex, a US$ 40,61 por barril.

Os preços do petróleo recuaram mais de 14% apenas em julho e mais de 20% desde junho, uma vez que a perspectiva de aumento da oferta no curto prazo voltou com força.

"O mundo está com excesso de oferta e o ritmo de reequilíbrio é tão lento que mesmo fatores geopolíticos, como a guerra civil em curso na Nigéria, não são suficientes para compensar a queda nos preços", disse Gao Jian, analista de energia da SCI International.

A recente tendência de alta nas atividades de perfuração de petróleo dos EUA, o retorno esperado da Líbia para os mercados exportadores de petróleo, e o provável aumento na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), como no Iraque e no Irã no mês passado, têm contribuído para o sentimento negativo nas últimas semanas.

Somando-se a estas preocupações, tanto os EUA quanto as refinarias com base na Ásia estão passando pelo seu período de manutenção sazonal, o que geralmente aumenta ainda mais os estoques.

"Esta queda sazonal dos preços ainda tem espaço para direcionar o petróleo para US$ 35 antes de talvez reverter para ganho até final do ano", disse Stuart Ive, gerente de clientes em OM Financeiro.

O aumento da atividade em poços e plataformas dos EUA sinaliza que pode demorar mais tempo do que o esperado para a oferta e a demanda se reequilibrarem. Depois que o petróleo atingiu o patamar de US$ 50 o barril, o número de plataformas nos EUA subiu nas 8 das 9 últimas semanas, elevando a contagem em 18% durante esse período, de acordo com dados da indústria grupo Baker Hughes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia