Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de agosto de 2016. Atualizado às 22h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 02/08/2016. Alterada em 01/08 às 20h33min

Rival Didi Chuxing vai comprar operações do Uber na China por US$ 35 bilhões

O Didi Chuxing, líder no mercado de transportes urbanos na China, anunciou ontem que vai comprar as operações do rival Uber no país em um negócio avaliado em US$ 35 bilhões. O anúncio foi feito após o governo chinês divulgar, na última quinta-feira, as primeiras regras para a indústria de corridas urbanas, legalizando o negócio após diversas batalhas com reguladores.
Pelo acordo, o Uber terá uma participação de 20% no Didi, o que tornaria a companhia americana o maior acionista da chinesa. O anúncio põe fim à competição entre ambos pelo mercado de transportes urbanos na China. O Didi tem valor de mercado calculado em US$ 28 bilhões na China, bem acima dos US$ 7 bilhões nos quais o Uber é avaliado no país asiático. O Uber seguirá tendo suas operações independentes no país, de acordo com comunicado do Didi. "O acordo com o Uber vai colocar a indústria de transportes em um caminho mais saudável e sustentável de crescimento em um nível mais elevado", disse. O presidente do Uber, Travis Kalanick, vai fazer parte do conselho de administração do Didi, enquanto o executivo da empresa chinesa, Cheng Wei, vai participar do conselho do Uber. Pelo acordo, o líder no transporte urbano chinês vai investir US$ 1 bilhão no Uber. Em meados de maio, a Apple informou que investiu US$ 1 bilhão no Didi Chuxing. O presidente da Apple, Tim Cook, diz que o objetivo era ajudar a companhia a entender melhor o importante mercado da China.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia