Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de agosto de 2016. Atualizado às 08h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

01/08/2016 - 08h23min. Alterada em 01/08 às 08h23min

Bolsas da Ásia sobem com menor chance de alta de juros nos EUA, mas Xangai cai

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (1°), após dados fracos do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA reduzirem as chances de o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) voltar a aumentar juros no curto prazo. A exceção foi os mercados da China, que recuaram em meio a preocupações com uma nova leva de ofertas públicas iniciais (IPOs).
A possibilidade de o BC norte-americano elevar juros em setembro diminuiu de 18% para 12%, segundo dados futuros dos fed funds, depois de uma pesquisa mostrar na última sexta-feira que o PIB dos EUA cresceu a uma taxa anualizada de apenas 1,2% no segundo trimestre, bem abaixo da previsão dos analistas, de +2,6%.
Como aumentos de juros nos EUA normalmente levam mercados emergentes - incluindo a Ásia - a perder recursos financeiros, qualquer sinal de que elevações de taxas são menos prováveis tendem a favorecer as ações asiáticas.
No Japão, o índice Nikkei subiu 0,4%, encerrando o dia a 16.635,77 pontos, ainda impulsionado também por papéis do setor financeiro, que comemorou a decisão do Banco do Japão (BoJ), na sexta-feira, de não cortar ainda mais sua taxa de depósitos, atualmente em -0,1%.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng avançou 1,09% em Hong Kong, a 22.129,14 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi teve ganho de 0,67% em Seul, a 2.029,61 pontos, o Taiex subiu 1,07% na bolsa taiwanesa, a 9.080,71 pontos, e o filipino PSEi registrou alta de 1,34%, a 8.069,81 pontos.
Nos mercados chineses, os negócios ficaram pressionados à espera do lançamento de nove IPOs ao longo da semana, o dobro do normal e com expectativa de levantar um total de 9,7 bilhões de yuans (US$ 1,47 bilhão). O índice Xangai Composto recuou 0,9%, a 2.953,39 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda de 1,5%, a 1.912,65 pontos.
Além disso, foram publicados dados mistos sobre a atividade manufatureira na China. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da indústria chinesa caiu para 49,9 em julho, de 50,0 em junho, sugerindo que o setor passou a se contrair. Por outro lado, o PMI industrial chinês medido pela Caixin Media em parceria com a Markit subiu para 50,6 em julho, de 48,6 em junho, apontando expansão no setor. As pesquisas oficial e da Caixin/Markit, no entanto, usam metodologias diferentes.
Na Oceania, a bolsa australiana subiu 0,5%, com o índice S&P/ASX 200 a 5.587,40 pontos, graças à valorização de papéis de petrolíferas e de grandes mineradoras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia