Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de agosto de 2016. Atualizado às 00h17.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 15/08/2016. Alterada em 14/08 às 17h32min

Grêmio

A atitude que o presidente do Grêmio Foot-Ball Porto-Alegrense, Romildo Bolzan Júnior, adotou com relação aos empregados, chegou ao extremo da tolerância. A intransigência, que provocou impasse na negociação desde maio de 2015, já é a marca da negociação de 2016, que segue aberta sem que o clube sequer concorde em conceder o índice inflacionário do período de 12 meses, sem falar da negativa em atender quaisquer reivindicações no campo social. Mas o problema que o Grêmio criou para os funcionários vai além do desprezo à convenção coletiva de trabalho. O clube se nega a conceder cesta básica, corta plano de saúde e não admite que o empregado venda 10 dias das férias, como permite a lei. E para piorar, o Grêmio persegue funcionários e demite, sem justa causa, os sindicalistas que defendem os colegas. Pela gravidade do tema, o assunto foi parar em Genebra, na Suíça, na sede da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Seria melhor que a diretoria do Grêmio reconhecesse que está errando e restaurasse o clima de normalidade. O sindicato, que já ajuizou inúmeras ações contra o clube, seguirá brigando para que os clubes esportivos respeitem o direito dos empregados, nos termos da lei. (Miguel Salaberry Filho, presidente do Sindicato dos Empregados em Clubes e Federações Esportivas)
Corrupção
Em relação ao artigo Medidas contra a corrupção e a liberdade, de Ariel Weber (Jornal do Comércio, 05/08/2016), o tamanho do Estado não é o problema central. O problema é o câncer da corrupção que atacou as veias da sociedade brasileira. A corrupção é bilateral, ou seja, público-privada. O que tem que acontecer é sequestrar todos os bens dos corruptos até que seja todo o dinheiro devolvido. (Daniel Pereira, Porto Alegre)
Corrupção II
Tem mesmo que botar na cadeia todos os corruptos, não interessando de que partido são. Não dá para ficar apenas nos que são do PT, mas também os dos demais partidos. (Luiz Martins, Rio Grande/RS)
Pelotas
Ficamos muito satisfeitos e é um grande orgulho para toda a colônia libanesa do Rio Grande do Sul saber que Pedro Curi Hallal assumiu a Reitoria da Ufpel (Universidade Federal de Pelotas). Temos a certeza que fará uma administração que vai honrar todos os libaneses do Rio Grande do Sul. (Antonio Casagrande Sehbe, Caxias do Sul/RS)
Piada jurídica
O Brasil deve ser motivo de chacota nos meios jurídicos internacionais. É que Suzane von Richthofen deixa a penitenciária feminina na saída do Dia dos Pais. O detalhe é que ela foi condenada por matar o pai e a mãe... (Saúl Bentis, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia