Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de agosto de 2016. Atualizado às 18h53.

Jornal do Comércio

Receita

COMENTAR | CORRIGIR

Fisco

Notícia da edição impressa de 10/08/2016. Alterada em 09/08 às 18h54min

Receita dá a receita

Regularização de Capitais no Exterior
A Receita Federal do Brasil publicou no DOU do dia 29 de julho, a IN nº 1.654, de 27 de julho, para facilitar a regularização de capitais no exterior prevista na Lei nº 13.254, de 13 de janeiro de 2016. Um limitador para a regularização desses capitais no exterior é, em muitos casos, a indisponibilidade de recursos do contribuinte no País para o pagamento de tributos, condição essencial a este procedimento. O Ministério da Fazenda decidiu permitir que a entrada dos recursos seja antecipada para o pagamento desses tributos. Dessa maneira, o contribuinte poderá concluir a regularização dos seus ativos mantidos no exterior. O Banco Central publicou normas que asseguram aos bancos que os recursos antecipados pelo contribuinte sejam usados para o pagamento integral dos tributos devidos. Com isso, cumpre-se uma etapa importante na viabilização da regularização de capitais no exterior. O RERCT permite a regularização de ativos remetidos ou mantidos no exterior em 31 de dezembro de 2014 e aqueles já repatriados antes desta data. A regularização ocorrerá pela entrega e retificação de declarações, perante a RFB e o Banco Central, e pelo pagamento de imposto de renda e multa, que juntos correspondem à aplicação da alíquota de 30% sobre o valor do ativo regularizado. No entanto, é preciso examinar os casos particulares de cada contribuinte, pois a adesão não é a simples declaração e a tributação da posição financeira mantida em dezembro de 2014, existindo situações que provocam a majoração do custo efetivo da regularização.
Arrecadação Federal no Rio Grande do Sul
Em junho, o total das receitas administradas pela RFB no RS foi de R$ 4,51 bilhões, equivalentes a um acréscimo nominal de 1,6% comparativamente a junho/2015. Em impostos foram arrecadados no mês R$ 1,40 bilhões na 10ª Região Fiscal (31,2% das receitas).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia