Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de julho de 2016. Atualizado às 12h47.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

28/07/2016 - 12h50min. Alterada em 28/07 às 12h50min

Dilma diz à Time 'ter convicção' de que conquistará votos contra o impeachment

A presidente afastada culpou a crise política por colocar o País em recessão

A presidente afastada culpou a crise política por colocar o País em recessão


JOSÉ CÍCIRO DA SILVA/AGÊNCIA PÚBLICA/DIVULGAÇÃO/JC
A presidente afastada Dilma Rousseff afirmou que acredita conseguir evitar o impeachment no Senado em entrevista à revista norte-americana Time divulgada nesta quarta-feira (27). Questionada se conseguirá os 27 votos necessários contra o processo no plenário, ela respondeu "lutei para isso... e tenho a convicção de que posso vencer".
"Estou sendo julgada por um não crime. O que está acontecendo no Brasil não é um golpe militar, mas parlamentar. Está afetando as instituições, as erodindo por dentro, as contaminando. Então, eu acredito que essa luta requer uma arma. Vivemos em uma democracia e a respeitamos. A arma nessa luta é o debate, a explanação e o diálogo."
Na entrevista, Dilma voltou a defender a realização de um plebiscito para que o presidente que exercerá o mandato a partir de 2019 possa "comandar o País de uma forma melhor". Ela também disse que o impeachment é misógino. "Quando uma mulher se torna a primeira presidente da República, abre espaço para uma avaliação da mulher que é muito estereotipada. De um lado são histéricas. De outro, insensível, fria e sem coração", afirmou.
A presidente afastada culpou a crise política por colocar o País em recessão, especialmente a partir do ano passado. À Time, falou ter tentado uma política a fim de prevenir que o pior da crise global chegasse. "Tivemos algum sucesso em 2011, 2012, 2013 e 2014."
Sobre a importância da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, para o futuro do Brasil, Dilma desconversou e disse que o País não tem monopólio sobre a corrupção. "A batalha contra a corrupção não é só sobre uma investigação. Ela é feita pelo avanço das instituições de controle e da legislação."
A petista voltou a dizer que não vai à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio por ter sido convidada em uma posição "injusta (...) muito secundária, que não condiz com o seu status presidencial". "Fui eleita com 54,4 milhões de votos", lembrou.
Em relação à segurança, disse que a estrutura não foi "construída ontem nem anteontem" e passou por testes, como a Copa do Mundo em 2014. "Eu quero dizer para você que os Jogos estão perfeitamente organizados para serem um sucesso. Eu falo isso pela contribuição que o meu governo deu para a realização deles. Espero que o governo provisório e interino dê continuidade a tudo o que está montado."
Dilma ainda ressaltou que o vírus da zika não deverá ser um problema durante o evento esportivo, pois, com as temperaturas mais baixas, haverá menos mosquitos transmitindo a doença.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia