Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de julho de 2016. Atualizado às 18h11.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Municípios

Notícia da edição impressa de 27/07/2016. Alterada em 27/07 às 18h11min

Prefeituras processam Receita para garantir os recursos do IR

Cerca de 30 municípios gaúchos entraram com ações judiciais contra a Receita Federal solicitando mandados de segurança que suspendam o repasse dos municípios à União dos recursos do Imposto de Renda (IR) de funcionários terceirizados - que pode chegar ao valor de R$ 40 milhões entre as cidades do Rio Grande do Sul.
A Receita obrigou os municípios - através de uma instrução normativa, de dezembro do ano passado - a destinar para a União o IR retido sobre pagamentos decorrentes de bens ou prestação de serviços. Antes, esses valores ficavam com as prefeituras.
"São recursos que, como parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), faziam parte da receita dos municípios. Não dá para mudar isso através de uma instrução normativa, porque a Constituição diz que esse dinheiro pertence aos municípios", ponderou a assessora técnica da área de receitas municipais da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Cinara Ritter. Para alterar o destino desses recursos, seria necessário uma emenda à Constituição.
Hoje, os prefeitos que não repassarem os valores do IR para a União estão sujeitos a multa, pagamento com juros, além de poderem sofrer apontamentos do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Por isso, a Famurs tem orientado outras prefeituras a entrar com ações semelhantes.
"Estávamos esperando o resultado de algumas ações protocoladas por algumas capitais, para criar uma jurisprudência. Saiu a decisão favorável à prefeitura de Porto Alegre, concedendo o mandado de segurança que suspende o repasse para a União. Acreditamos que isso vai motivar outros prefeitos a entrarem com ações", projetou Cinara.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia