Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 16h39.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

12/07/2016 - 16h40min. Alterada em 12/07 às 16h40min

Advogado de Cunha diz que vai ao STF se relator do Conselho de Ética votar na CCJ

O advogado do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Marcelo Nobre, afirmou na tarde desta terça-feira (12) que vai ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso Marcos Rogério (DEM-RO) vote no recurso de seu cliente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.
Rogério é o relator do processo contra Cunha no Conselho de Ética da Casa. Por isso, para o advogado, o parlamentar não seria isento para julgar o recurso ao processo na CCJ. No recurso, a defesa também questiona a relatoria de Rogério, que pertence a partido que faz parte do mesmo bloco do PMDB, sigla de Cunha. "Como é que pode um juiz que deu a decisão ir para um tribunal que julgará o recurso contra a decisão e votar?", disse.
Ontem, Marcos Rogério já havia anunciado que não participaria da votação na CCJ. Em seu lugar deve entrar Pauderney Avelino (DEM-AM) ou Onyx Lorenzoni (DEM-RS).
Na apresentação da defesa, Nobre insistiu que há uma série de erros no processo de seu cliente. Ele voltou a dizer que Cunha não tem conta no exterior e não poderia declarar no Imposto de Renda uma conta que não possui. "Estamos no exercício da defesa, da sobrevivência política de um homem", disse.
Na avaliação de Nobre, os deputados estão acolhendo argumentos que são contra o regimento da Casa pelo fato de o nome de Cunha estar "impresso na capa do processo". Para ele, os encaminhamentos seriam diferentes se o julgamento fosse de outro deputado. "Se decidir desta forma, no fundo o que estará se fazendo é um linchamento", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia