Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de julho de 2016. Atualizado às 17h14.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Novo Governo

06/07/2016 - 17h11min. Alterada em 06/07 às 17h14min

Temer e equipe econômica decidem hoje à noite meta fiscal de 2017

Agência Brasil
O presidente interino Michel Temer reúne hoje (6) à noite a equipe econômica para decidir a meta fiscal para 2017. Temer receberá no Palácio do Planalto integrantes da Comissão Mista de Orçamento do Congresso (CMO), e os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira.
O encontro está marcado para 19h30min. No início da tarde, Meirelles esteve reunido com Temer no Planalto. De acordo com um integrante do primeiro escalão do governo, o número será fechado nem que seja necessário discutir o assunto "madrugada adentro". O governo quer divulgar até esta quinta-feira (7) a estimativa do déficit primário das contas públicas no ano que vem.
A meta fiscal (economia que o governo promete fazer para pagar a dívida pública) gira em torno da expectativa da receita arrecadada e também dos gastos.
O Planalto se divide entre a visão de integrantes do núcleo econômico, que defendem um número menor que os R$ 170,5 bilhões de déficit previstos para este ano, e os auxiliares políticos de Temer, que consideram que a manutenção do número já seria uma tendência de baixa para os próximos dias. No entanto, a perspectiva é de que a equipe econômica dará a palavra final sobre o valor.
Participam da reunião, além dos ministros e líderes da base aliada, os senadores Rose de Freitas (PMDB-ES), líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB/RR) e Wellington Fagundes (PR/MT) e o deputado Arthur de Lira (PP/AL). Semana passada, Meirelles já havia dito que a meta de 2017 será negativa, mas "realista".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia